Noticias‎ > ‎

Presa quadrilha que comercializava anilhas falsas para identificação de pássaros

postado em 15 de out de 2013 10:42 por Renato Garcia da Silva   [ 15 de out de 2013 17:36 atualizado‎(s)‎ ]
Grupo clonava anilhas em Goiás e vendia para criadores de pássaros de MG, SP e ES. Cerca de 300 canários-da-terra capturados da natureza foram recolhidos e sete pessoas acabaram presas em flagrante

Estado de Minas

Publicação: 03/07/2013 14:07 Atualização: 03/07/2013 14:57


A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira a “Operação Bastardos”, para desarticular uma quadrilha especializada em fabricar e comercializar anilhas falsas de identificação para pássaros. Os acessórios eram fabricados em Goiás, de onde eram repassados para clientes de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo.

As investigações tiveram início na Região Metropolitana de Vitória (ES), a partir da identificação de um grupo que vinha vendendo anilhas clonadas para criadores de pássaros. A estratégia era forjar aparência de legalidade a animais em situação irregular - a maioria aves capturadas da natureza. As anilhas eram fabricadas com a mesma numeração de outras já registradas no Ibama, como forma de tentar burlar a fiscalização do órgão.

Segundo informações da polícia, os acessórios de identificação eram fabricados em Goiás, no município de Padre Bernardo, que faz divisa com o Distrito Federal. De lá eram encaminhadas para clientes localizados em pelo menos três estados: Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo. Somente para o grupo que atuava no Espírito Santo, a estimativa é de que foram enviadas cerca de 5 mil anilhas nos últimos 12 meses. A procura era maior para colocação em canários-da-terra, coleiros e trincaferros.

Alguns dos suspeitos atuavam, ainda, no comércio irregular de pássaros silvestres. Durante as investigações, foram apreendidos cerca de 300 canários-da-terra capturados da natureza e sete pessoas foram presas em flagrante. As aves foram encaminhadas ao Ibama para serem reintegradas à natureza.

Ao todo, cerca de 70 policiais federais e 15 fiscais do Ibama participam da Operação para cumprir 15 mandados de busca e apreensão em Taguatinga (Distrito Federal); Padre Bernardo (Goiás); Uberaba e Uberlândia (Minas Gerais); Franca e Ribeirão Preto (São Paulo); e Vitória, Vila Velha e Cariacica (Espírito Santo).Foi expedido também mandado de prisão preventiva para o fabricante das anilhas, que reside em Goiás. 

Os investigados vão responder pelos crimes de falsificação e/ou adulteração de selo ou sinal público, com pena de 2 a 6 anos, e formação de quadrilha, com pena de 1 a 3 anos. Os que atuavam no comércio de pássaros vão responder, ainda, por transporte e venda de espécimes da fauna silvestre, com detenção de 6 meses a 1 ano e maus-tratos a animais silvestres, com pena de 3 meses a 1 ano.
Comments